Logomarca corrida para o site cores

SICOOB MAXICRÉDITO COMPLETA 33 ANOS

O Sicoob MaxiCrédito, com sede em Chapecó, comemorou 33 anos de...

COM REDUÇÃO  DE ÁREA  PLANTADA, MANDIOCA VALORIZA 55% EM SANTA CATARINA

COM REDUÇÃO DE ÁREA PLANTADA, MANDIOCA VALORIZA 55% EM SANTA CATARINA

Desde 2010, as plantações da raiz no estado encolheram 25%. Valor pago ao produtor...

UFFS  É A MELHOR UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA

UFFS É A MELHOR UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA

            O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas...

NÚMERO DE EMPRESAS INADIMPLENTES CRESCE 3,60% EM OUTUBRO

NÚMERO DE EMPRESAS INADIMPLENTES CRESCE 3,60% EM OUTUBRO

Pesquisa SPC Brasil e CNDL aponta que segmento de serviços lidera crescimento entre...

CHEQUES DE QUALQUER VALOR SERÃO COMPENSADOS EM ATÉ UM DIA ÚTIL

CHEQUES DE QUALQUER VALOR SERÃO COMPENSADOS EM ATÉ UM DIA ÚTIL

A compensação de cheques de qualquer valor passará a ser feita em um dia...

  • SICOOB MAXICRÉDITO COMPLETA 33 ANOS

    Sexta, 01 Dezembro 2017 18:47
  • COM REDUÇÃO  DE ÁREA  PLANTADA, MANDIOCA VALORIZA 55% EM SANTA CATARINA

    COM REDUÇÃO DE ÁREA PLANTADA, MANDIOCA VALORIZA 55% EM SANTA CATARINA

    Sexta, 01 Dezembro 2017 18:44
  • UFFS  É A MELHOR UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA

    UFFS É A MELHOR UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA

    Sexta, 01 Dezembro 2017 18:31
  • NÚMERO DE EMPRESAS INADIMPLENTES CRESCE 3,60% EM OUTUBRO

    NÚMERO DE EMPRESAS INADIMPLENTES CRESCE 3,60% EM OUTUBRO

    Sexta, 01 Dezembro 2017 18:28
  • CHEQUES DE QUALQUER VALOR SERÃO COMPENSADOS EM ATÉ UM DIA ÚTIL

    CHEQUES DE QUALQUER VALOR SERÃO COMPENSADOS EM ATÉ UM DIA ÚTIL

    Segunda, 27 Novembro 2017 19:38

MINISTRO DO PLANEJAMENTO DIZ QUE INFLAÇÃO DEVE FECHAR O ANO ABAIXO DE 3%

m InflaçãoO Brasil deverá fechar o ano com uma taxa de inflação abaixo de 3%, portando inferior ao centro da meta de 4,5% fixada pelo Banco Central para 2017. A expectativa foi manifestada nesta segunda 2, pelo ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, que participou, na sede do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), de coletiva para marcar o início do Censo Agropecuário 2017.

Na avaliação do ministro Dyogo Oliveira, o país vive um processo saudável de recuperação da economia, que se dá em bases puramente reais e sem a necessidade de estímulos do governo, “que tem sido bastante comedido do ponto de vista de incentivos à economia”.

“A inflação deve fechar o ano abaixo de 3%, talvez o nível mais baixo desde o início do Plano Real, e as projeções para 2018 vêm caindo para menos de 4%, o que deixa espaço para um processo de política monetária mais benigno”, disse.

Dyogo de Oliveira ressaltou o fato de que a economia brasileira vem se recuperando como um todo. “Quando você olha os dados da indústria, o crescimento é de mais de 2%, o rendimento médio real vem crescendo em torno de 3%, assim como a massa salarial. Por outro lado o desemprego, cuja taxa já chegou a 13,7%, agora se encontra em 12,8%”.

Para ele, até o final do ano, a economia continuará sua recuperação gradual, contínua e sem sobressalto.

“Haverá uma recuperação gradual e continuada em bases muito sólidas e que deixará pra 2018 um saldo muito positivo, tanto do ponto de vista da inflação mais baixa, porque tem menos inércia, e de outro, com o nível de atividade muito mais alto. Então, 2018 começa a despontar como um ano muito positivo para a economia brasileira”, acredita.

A avaliação do titular da pasta do Planejamento é de que, dentro deste cenário, há espaço para que o governo continue a buscar, “de um lado o equilíbrio nas contas públicas e de outro uma política monetário e de crédito mais favorável aos investidores – com uma oferta muito mais ampla nos próximos anos e com taxas mais baixa do que aquelas que estávamos historicamente habituados”.

Como consequência, acredita Dyogo Oliveira, haverá uma mudança considerável no panorama da economia, com muito mais espaço para que o setor privado financie projetos mais robusto.

Questão fiscal

Ao defender a aprovação da Reforma da Previdência, o Ministro do Planejamento alertou para o fato de que a questão fiscal continua sendo o grande desafio para o país. Segundo ele, o país vai conviver com déficits fiscais elevados pelos próximos anos: “A previsão é de que teremos resultados negativos pelos próximos sete anos”.

Por isso mesmo o governo continuará “duramente empenhado na solução do ajuste fiscal e do reequílibrio das contas públicas, e já sabemos que não será possível fazer isto em um período muito curto de tempo”.

Oliveira disse que somente a Previdência Social representa 50% das despesas do governo. “E todo este deficit é derivado da Previdência que hoje chega a R$ 260 bilhões por ano”.

“O deficit é preocupante, vem crescendo de maneira muito rápida e vem desequilibrando as contas públicas e consumindo todo o orçamento. Pra 2018, por exemplo, só o crescimento da Previdência ocupa todo o espaço de crescimento do teto dos gastos”, disse.

Por isso mesmo, do ponto de vista do governo, “a Reforma da Previdência continua sendo a principal prioridade para o programa de ajuste fiscal. Temos que insistir no texto que foi aprovado na Comissão, que foi bastante satisfatório”, avaliou.

Cotação Dólar/Euro

O Tempo na Folha

Nossa localização

G1 > Brasil

G1 > Brasil